Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

| February 27, 2017

Scroll to top

Top

No Comments

O Desafio L’ Étape no Brasil

Webbikers

image

Desafio de concluir a prova de ciclismo L´Étape de Tour no Brasil

Agradecimento

Leandro Feliciano de Oliveira

Sócio Criador do Webbikers

No dia 25 de Outubro, completei o desafio de pedalar os 112km com 2.800 metros de ascensão na cidade de Cunha-SP. Nada mais nada menos do que a primeira prova do L´Étape do Tour no Brasil e a minha primeira prova de ciclismo. Difícil de compartilhar o significado dessa prova.

Recentemente recebi do meu amigo Paulo Cesar via chat de whatsapp ( participo só de chat que agrega ) um texto do Nizan Guanaes : A meia maratona de Amsterdã. ” Não há só uma revolução tecnológica em curso. Há uma revolução humana. O fato é que com essa nova vida, ganhei mais força para enfrentar a crise”.

Então decidi escrever esse texto para que seja lido pelo maior número pessoas possível. Tenho 39 anos, trabalho e sou casado com uma Fisioterapeuta. Graças a Deus!

A minha esposa Vanessa mesmo tendo recebido a benção de estar grávida da Maria Júlia, me dá a chance de treinar enquanto cuida do nosso filho Lucas de 4 anos, da casa e das minhas lesões. Não tenho histórico de obesidade, mas sempre lutei contra a balança principalmente depois das 4 cirurgias nos joelhos. Sempre cuidei da minha saúde muito bem, gosto muito de desafios e esportes radicais. Meu Pai nunca foi ligado ao esporte, é fumante, mas me deu toda a base e motivação para fazer o que eu faço hoje. Da minha Mãe herdei a fé e genes dominantes.

 O Ciclismo

É um esporte muito técnico, difícil e perigoso. Fiz a transição do Mountain Bike com muita cautela embora como muitos ciclistas entusiastas, estou convencido que não se trata de “se” você terá um acidente, mas de “quando” isso vai acontecer. Por isso gosto de fazer a revisão da minha bicicleta para treinos e provas, isso me faz sentir mais confiança com o equipamento revisado e ajustado por mim, afinal em algumas situações fazemos curvas a mais de 70km/hora.

O projeto

Acompanho o Tour de France desde 2005, quando soube que o L´Étape viria para o Brasil. O L´Étape do Tour é uma Etapa destinada para ciclistas amadores. Não pensei duas vezes e mandei ver na inscrição.

Nesse dia pesava 99 quilos ( para não escrever 100 ), sendo que 25% de gordura ( considerado ruim ). No dia da largada pesei 94 quilos, sendo 17% de gordura ( considerado bom ). Ou seja, foram 5 quilos a menos para aguentar no mínimo 5 horas de esforço. Parece pouco, mas se fizer a conta verá que foram quase 10 quilos de gordura eliminados. Para isso foram 6 meses de acompanhamento com a nutricionista Vivian Ragasso, 4 meses de treino específico de ciclismo acordando as 05:00 am três vezes por semana com o treinador e triatleta Kim Cordeiro, sessões de Treino Funcional com meu amigo Danilo Garcia e sessões de Quiropraxia com Felipe Trindade e com o Alessandro Angelini.

Ah….e não poderia esquecer de citar o reconhecimento do circuito feito 15 dias antes da prova. Graças a carona bate-volta de SP -> Cunha com Adeilton ( Xis ) que trabalha com o Beto Liber. Após esse reconhecimento que durou 7 horas, a meta para a prova passou a ser de 5:30 horas.

Apoio

Desde o início a Curtlo e a Pedal Power apoiam o Webbikers. E agora a Thule Aclimação.Utilizei camisa de ciclismo Curtlo durante todo esse período. Já a Pedal Power foi aonde aprendi tudo o que sei sobre mecânica de bicicletas com o meu amigo Jonathan Augusto e lá fiz o Bike Fit com o Danny Aliperti. E se não fosse a Thule e o Mario a bicicleta não chegaria em Cunha.

A organização da prova

A organização do evento foi incrível! Sem filas para retirada do excelente Kit ( 01 bermuda de ciclismo, 01 bretelle e um adesivo com os pontos de hidratação e reparo mecânico ), museu do Tour de France, telão para o briefing técnico, Bike Parking, alguns carros Audi Q7 de apoio, moto da MAVIC com rodas extras e tudo mais o que poderia imaginar para um evento desse porte. Até um mural gigante com o nome de todos os inscritos!

A largada intercalada de 3 em 3 minutos, foram 9 pelotões com mais ou menos 200 ciclistas cada. Essa ordem foi dada pelo questionário respondido no ato da inscrição. Larguei no pelotão 7 no horário previsto. Durante todo o circuito cones separavam as duas vias da estrada interditada até para o trânsito local, placas indicando curvas fechadas e perigosas, placas indicando a km, policiais ao longo de todos o circuito. Tudo isso para a segurança dos ciclistas.

A prova

Como toda prova fiquei ansioso, mas ao mesmo tempo confiante com o planejamento. Minutos antes da largada encontrei um grande amigo, Adriano Santin. Um aperto de mão foi o suficiente para aumentar a confiança. Me senti mesmo no Tour de France, pessoas durante todo o trajeto motivando, gritando e impulsionando cada ciclista que passava. A cidade parou, uma festa!

Dividi a prova em 4 partes:

Cadência na primeira, muita subida até o 25km ( Cunha -> Parati ). Prudência na segunda, muita descida em alta velocidade. Passei pelo ponto de largada ( Cunha ) 50km com 2hrs e 15 minutos, 30 minutos melhor do que no dia reconhecimento. Discernimento na terceira parte, não poderia me iludir com o que ainda viria pela frente, 30km com a escalada das 4 montanhas não seria nada fácil. Como estava um pouco a frente do tempo previsto, me enrolei com a alimentação, o cansaço já afetava o raciocínio. Ao chegar em Campos Novos depois de um Down Hill insano havia uma Igreja com uma praça, ponto de alimentação e hidratação. Muita gente gritando e ao fazer o sinal da cruz como forma de agradecimento por estar inteiro, escutei uma menina de uns 10 anos de idade:  ” Vai na Fé !”.

Pronto, tive a certeza de que estava no lugar e hora certa. Tinha colocado nos planos a para a quarta e última parte, dai pra frente as pernas já não funcionavam mais como no começo. Os últimos 20km foram doloridos, o sol estava forte, acabou a estratégia. Costumo dizer que quando isso acontece, o ciclista deve pedalar com a alma. A vontade de cruzar a linha de chegada superando meus próprios limites era tão grande que não medi esforço para chegar logo. A minha dedicação e acredito que de todos os que participaram da prova era uma luta para chegar bem, curtir, compartilhar a emoção e a felicidade do simples fato de estar ali. Ao cruzar a linha de chegada  eu só queria encontrar meu filho e minha esposa para dar um beijo e falar:
- Eu completei graças a Deus!

” A fé é uma força interior que nos entusiasma e motiva a saltar para além de nossas forças humanas” (Mc 10,46-52).

Conclui a prova em 05 horas 15 minutos e 19 segundos. Para mim um grande feito. Agora sei que preciso melhorar e aprender muito ainda. Sou muito novo e só a bicicleta me ajuda a esquecer a cotação do dólar e da força para enfrentar a crise que vivemos no País.

Boa Sorte, bons treinos e que Deus abençoe seus planos ” O negócio é pedalar ”

 

 

 

 

Submit a Comment

*