Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

| October 19, 2019

Scroll to top

Top

One Comment

Itaquerão prevê 3100 vagas para automóveis e nenhuma para bicicletas

Via: ESPN - Renata Falzoni

Quando eu completei 18 anos de idade, decretei a minha liberdade de ir e vir. Não foi algo fácil, pois nos anos 70 uma menina não podia sair de casa sem estar acompanhada e todas essas caretices e prisões que se pode imaginar.

Uma das traquinagnes que eu mais gostava de fazer (e ainda gosto) era ir a rodoviária de bicicleta, colocar a bicicleta no ônibus e visitar meus primos em Campinas. Pegar uma carona no ônibus dava asas a minha bicicleta, assim eu passava o fim de semana fora indo e vindo só de bike.

Dava uma sensação de muito poder!

Anos mais tarde, no início dos anos 2mil, ampliei o leque. Com Sammy W. fui a Nova Iorque no pedal. Saimos do Itaim em bicicleta, fomos ao aeroporto de Congonhas, lá enfiamos nossas bicicletas no ônibus, em Guarulhos as bikes em mala bikes. Carona de avião, pousamos em NY e chegamos pedalando a casa de nosso amigo Sue Wo que morava no Brooklin na época!

Essa prática chama-se Intermodalidade, quando um passageiro combina diversos modos de transprorte e, quando a administração pública ajuda, pegamos carona com nossas bicicletas em trens, ônibus, metrô, barcas, bondes, aviões e até taxis!

A sensação que dá, é de total liberdade com molho de anarquia, quando ninguém é chefe de ninguém e a gente vai para onde os ventos e as permissões nos favorecem.

Em 2002 cobri a Copa do Mundo na Coréia e no Japão. Foram 45 dias onde cada jogo do Brasil rolava em uma cidade diferente. Nove check ins ao todo e para facilitar esse deslocamento escolhi uma bicicleta dobrável antiga da Caloi, aro 20, super descomplicada.

Esse tipo de bicicleta dobrável, compacta, de aro menor, era e é a mesma que todo coreano ou japonês usa, portanto minha bicicleta nesses países mimetizou-se super bem. Fora a cor verde e amarela pintada exclusivamente para esse evento, a Caloi era idêntica a de todos.

Recentemente, quando a mobilidde em bicicleta ganhou seriedade em países da Europa e EUA, essa bicicleta dobrável retornou ao mercado, justamente por ser ideal para a Intermodalidade.

A Caloi relançou o modelo, dessa vez com dobradiças melhores e acompanhada de uma mala bike. É a URBE.

A CPTM e o Metrô fizeram a sua parte e desde 2008 permitem bicicletas devidamente dobradas de embaladas durante todo o funcionamento.

Assim, praticando o direito cidadão da Intermodalidade, João Lacerda, William Cruz e eu, fomos conferir nas obras da Arena de São Paulo, o estádio que vai abrir a Copa de 2014, também chamado de Itaquerão.

Caloi Urbe a bicicleta dobrável permitida nos Trens e Metrôs de São Paulo e RJ Crédito da imagem: Renata Falzoni

William Cruz e tres bicicletas dobráveis no Metrô

William Cruz e tres bicicletas dobráveis no Metrô Crédito da imagem: Renata Falzoni

João Lacerda, William Cruz e as bicicletas dobráveis dentro do Metrô

João Lacerda, William Cruz e as bicicletas dobráveis dentro do Metrô Crédito da imagem: Renata Falzoni

Chegada as obras do Itaquerão, a Arena de São Paulo

Chegada as obras do Itaquerão, a Arena de São Paulo Crédito da imagem: Renata Falzoni

maior área na Arena de São Paulo é para estadcionamentod e carros. Não há bicicletário previsto

Maior área na Arena de São Paulo é para estacionamento de carros. Não há bicicletário previsto Crédito da imagem: Masterplan

A Arena fica em frente a estação Corinthians Itaquera, servida por Metrô e Trem, com uma ciclovia que vem do Tatuapé na porta.

O Itaquerão vai ter 3100 vagas para carros, 1100 dessas cobertas e no seu projeto não está previsto um bicicletário.

Todos os estádios que receberam jogos da Copa do Mundo em que eu estive há bicicletários, então não fica muito clara a política por trás disso. Certamente foi um “esquecimento” a ser reparado em breve, espero!

Promessas do Masterplan, Expresso da Copa e trem a partir dos aeroportos

Promessas do Masterplan, Expresso da Copa e trem a partir dos aeroportos Crédito da imagem: Renata Falzoni

Fomos assuntar o tema com autoridades.

Walter Feldman, ex secretário de Esportes, criador da Ciclofaixa de Lazer ficou indignado, prometeu agir para “ontem”.

Jurandir Fernandes, atual Secretário dos Transportes Metropolitanos questionou a exigência da FIFA, lembrou a disponibilidade de Metrô, Trem e Ciclovia até a porta do Estádio e prometeu estudar a possibilidade de extender a ciclovia até o Parque Dom Pedro. Essa sim é uma excelente notícia, unis a Zona Leste ao centro por ciclovia!

Sérgio Avelleda, atual presidente do Metrô foi enfático em relembrar a política de Estado favorável a essa integração bicicleta, com Trem e Metrô, política essa implantada por ele mesmo quando presidente da CPTM.

Veja aqui o Maspterplan da Copa http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=ySvhSToWKvE 

As promessas são de trem a partir dos aeroportos de Congonhas e Guarulhos integrados com os trilhos da CPTM. Esse seria um legado importante! Já imaginou acesso a Guarulhos sem depender da marginal do Tietê???

Bom, tudo isso você confere no Planeta EXPN que vai ao ar ness a quarta feira dia 1 de fevereiro 2012.

Comments

  1. Bom dia Falzoni!
    Nosso desafio de plantar a bicicleta na mobilidade da cidade de São Paulo é árduo mas o sucesso de iniciativas como a pressão e sucesso da CicloLiga para a autorização que ciclistas possam utilizar as magrelas nas escadas rolantes me fazem seguir em frente.
    Ano passado cobri a Conferência Ethos, veja esse olhar sobre mobilidade:
    http://mudadeideia.com/acessibilidade-para-ciclistas-na-conferencia-ethos-2011/

    Neste video, a consultoria Muda de Ideia traz uma reflexão sobre a linha tênue que separa o discurso da prática na transição para a Nova Economia.
    Na principal Conferência sobre responsabilidade socialambiental, um olhar crítico-construtivo para as oportunidades de novos negócios e soluções na Economia Criativa.
    No portal do evento, na sessão Acessibilidade e Estacionamento, é mencionado “Incentivamos a todos que venham até o evento através de meios de transporte alternativos como sistema de caronas, taxi, transporte público e bicicleta”. Porém a prática pode ser comprovada neste video.
    A consultoria Muda de Ideia vai além: não apenas critica o lapso entre o discurso e prática, como apresenta uma possível solução para esse desafio.
    Muda de Ideia, conexões improváveis para a Sustentabilidade 2.0 acontecer!

Submit a Comment

*